Thinking no background 2
<!--:pt-BR-->GE aposta alto e avança em manufatura aditiva<!--:--><!--:en-->GE Doubles Down on 3-D Printing With European Deals <!--:-->
11Set

GE aposta alto e avança em manufatura aditiva

InovaçãoThinking Business

A General Electric caminha a passos largos para a impressão 3-D, e investirá US $ 1,4 bilhões pela aquisição de duas pequenas empresas europeias para expandir sua capacidade de fabricar componentes de aeronaves e outras peças com a nova técnica de manufatura.

 A GE disse na semana passada que fará oficialmente ofertas para a aquisição da sueca “Arcam AB” e da alemã “SLM Solutions Group AG”, redobrando seus esforços para expandir sua capacidade de fabricação de componentes com essa tecnologia. A GE já utiliza impressão 3D para produzir bicos de combustível para os seus novos motores a jato de uso comercial.

 As ofertas para aquisição são parte do direcionamento estratégico da gigante industrial em fazer por conta própria as impressoras que produzirão mais peças impressas usando tecnologia 3-D durante a próxima década. A GE disse que poderá produzir peças metálicas complexas, porém mais leves e com custos de engenharia mais baixos do que as peças tradicionais forjadas ou fundidas.

O que move a GE em sua experiência na manufatura aditiva tem sido o seu negócio de motores a jato, mas a empresa também começa a usar essa tecnologia nas suas turbinas a gás utilizadas no setor elétrico e em equipamentos médicos, disse David Joyce, CEO da Aviação GE .

A GE disse que pretende comprar cerca de 1.000 novas impressoras 3-D durante a próxima década. Ao adquirir essas duas novas empresas a GE disse que poderá cortar custos da ordem de US $ 3B a US $ 5B na empresa, uma vez que essa tecnologia poderá reduzir os custos de design e de materiais.

 “Arcam” e “SLM Solutions” são dois dos principais produtores mundiais de impressoras usadas para manufatura aditiva usando metal. Cada uma das empresas com cerca de 300 funcionários, reportou receitas aproximadas de US $ 70 milhões em 2015.

 A GE ofereceu 285 coroas suecas ($ 33,32) por ação da “Arcam”, ou cerca de US $ 700 milhões, e $ 42,38 por ação da “SLM”, cerca de US $ 761 milhões. Ambas ofertas em dinheiro! No final da manhã de terça-feira as ações da “SLM” subiram 38% passando a valer EUR 38.38, enquanto “Arcam” saltou  54% para 285,4 Coroas.

 Analistas do Equinet Bank AG disseram que a GE "está pagando um preço muito alto" para ter acesso à tecnologia de impressão 3D. A aquisição da alemã “SLM” vem apenas cerca de dois anos após sua abertura de capital e uma década depois de sua fundação.

 “Arcam”, fundada em 1996 e com sede na Suécia, perto da cidade de Gothenburg, inventou uma máquina de fusão por feixe de elétrons utilizada na indústria aeroespacial e de implantes ortopédicos.

As aquisições também significam que a GE poderia posicionar-se como fornecedora de tais máquinas, bem como da matéria prima (metais em pó) utilizados na fabricação aditiva. Poderia ainda prestar os serviços de manutenção de tais impressoras.

A GE disse que espera aumentar a receita anual no novo negócio de manufatura aditiva para US $ 1 bilhão até 2020.

 A GE, com mais de 300.000 funcionários, já investiu cerca de US $ 1,5 bilhão em tecnologias de manufatura aditiva desde 2010. Esses esforços se aprofundaram com a compra da “Morris Technologies” em 2012, uma empresa de Cincinnati-USA, cuja tecnologia ajudou produzir os bicos de combustível por manufatura aditiva para os seus novos motores a jato LEAP, assim como outros componentes que estão sendo projetados para motores militares.

 David Joyce disse ainda que os projetos considerando manufatura aditiva desde sua concepção permitirão à GE eliminar cerca de 845 peças de um novo motor turboélice que será lançado em 2018, cortando significativamente o seu peso.

 Um dos desafios será melhorar a velocidade de produção utilizando-se impressoras 3-D. A GE espera aumentar a velocidade de produção de duas a três vezes ao longo dos próximos anos, disse Greg Morris, que lidera os esforços de manufatura aditiva da unidade da aviação. No futuro, a empresa espera aumentar a velocidade em até 100 vezes ou mais, disse ele, embora esses desenvolvimentos provavelmente serão a longo prazo.

Artigo do TED MANN e EYK HENNING. Originalmente publicado em The Wall Street Journal

Atualizado 06 de setembro de 2016 12:32 ET

artigo original @ http://on.wsj.com/2cnNze7

foto: ASSOCIATED PRESS

Pedro  Cortonesi
Pedro Cortonesi

Pedro Cortonesi é Engenheiro Eletricista formado pela FEI (Faculdade de Engenharia Industrial), com Pós-graduação em Marketing, Especialização em Empreendimentos na área de Petróleo e Mestre em Administração de Empresas na área de Gestão da Inovação. Possui mais de 30 anos de experiência na indústria, sendo grande parte na área comercial, em posições de Marketing & Vendas, em empresas de médio e grande porte. Pedro é atualmente Senior Marketing Manager na Schneider Electric e sócio licenciado da Bizup Consulting, empresa de consultoria empresarial. Pedro também é professor da Febracorp University na área de Inteligência de Mercado.