Thinking no background 2
<!--:pt-BR-->Por quê as empresas não conseguem inovar?<!--:--><!--:en-->Why companies have a hard time innovating (or reinventing themselves)?<!--:-->
20Ago

Por quê as empresas não conseguem inovar?

Inovação

Há quase duas décadas comecei minha jornada aprendendo e ensinando os conceitos sobre mentalidade enxuta, globalmente conhecido como lean thinking. Uma filosofia de trabalho apaixonante, aonde buscamos incessantemente o propósito em cada uma de nossas ações para geração de valor, contagiando o maior número de pessoas possível nesse objetivo, que precisa ser comum.

Todos os líderes, que aplicam os conceitos de lean manufacturing em uma corporação, vivem em um certo momento desta caminhada um grande paradigma: “Se os resultados são tão expressivos e são obtidos através da gestão de processos cada vez mais robustos, gerando um trabalho gratificante e um ambiente harmonioso, por quê é tão difícil fazer as pessoas, em especial a liderança, caminhar junto no mesmo takt-time?”

A resposta é mais intrigante do que se possa imaginar.

No mundo corporativo, principalmente nas culturas ocidentais, o erro é resultado de um fracasso, geralmente por despreparo ou pela falta de competência de um indivíduo. É exatamente este o problema! O erro personificado nas empresas destrói todas as oportunidades que temos de aprender e nunca mais repeti-lo. Todos temos medo de errar e sermos punidos no curto prazo ou rotulados no longo prazo.

A grande pedra preciosa do lean manufacturing é o aprendizado contínuo com os erros, sendo oportunidade única para corrigir os processos ou criar barreiras para que nunca mais venha a ocorrer.

A fobia ao erro faz com que quando ele acontece permaneça escondido. Na mentalidade enxuta o erro acontece devido aos processos e não às pessoas. Precisamos destacar que existe uma diferença gigantesca entre erros honestos e desonestos, sendo que a maioria avassaladora dos erros em uma empresa são honestos, feitos por pessoas que não tiveram propósito consciente quando algo aconteceu fora do esperado.

É notória a dificuldade das empresas em implementar o lean manufacturing. Ao longo destes anos implementando esta filosofia em diversas empresas, consegui perceber que o medo de errar gera um problema muito maior: o medo de agir. Por isso, o processo decisório das empresas é extremamente burocrático e hierárquico, porque se alguém errar será julgado e condenado por um tribunal invisível.

Em outras palavras, as pessoas tem muita resistência para tomar decisões no seu dia-a-dia porque as decisões levam às ações, gerando a temida probabilidade estatística do erro.

Quando comecei a formular estratégias para implementar a cultura de inovação nas empresas cheguei em uma conclusão complementar: 

"Se você não pode errar, jamais irá inovar."

Nos dias atuais, conseguimos perceber claramente a capacidade superior de inovação em pequenas e médias empresas aonde o ambiente é de colaboração mais do que competição e perseguição. A quantidade de ideias inovadoras é diretamente proporcional a quantidade de erros percebidos, e ainda, se não enxergamos os erros obviamente não precisamos ter ideias. Nas startups a velocidade do ciclo testar-errar-corrigir-inovar é infinitamente maior porque o processo decisório é enxuto.

Se a maioria das empresas não consegue engajar a liderança nos princípios básicos de lean manufacturing imaginem a dificuldade em desenvolver um ambiente de inovação que tem o erro como etapa do processo.

Por muitas vezes eu permiti que a minha equipe errasse, para ela ela mesma encontrasse os caminhos da inovação continuada.

Rodrigo Rosa
Rodrigo Rosa

Engenheiro mecânico formado há 18 anos pela EFEI com MBA em Gestão Empresarial pela FGV e especialização aeronáutica pelo ITA. Trabalhou como gerente executivo nas áreas de Operações, Engenharia e Projetos em empresas globais de alta inovação tecnológica. Sendo responsável pela implementação do Programa de Lean Manufacturing em grandes empresas como Parker Hannifin (1999), Embraer (2007) e FMC Technologies (2012). Rodrigo é consultor associado ao Parque Tecnológico de São José dos Campos para startups de inovação tecnológica e Gerente de Novos Negócios na Supernova Energia, uma empresa especializada em projetos e soluções de eficiência energética.