Thinking no background 2
<!--:pt-BR-->Minha estreia na academia!<!--:--><!--:en-->Minha estreia na academia!<!--:-->
15Nov

Minha estreia na academia!

InovaçãoAcademia

Durante três dias da última semana, tive a oportunidade de participar do XIX SemeAd (Seminários em Administração – FEA/USP).

Foi definitivamente minha estreia na academia, um ambiente totalmente diferente de onde construí toda mina carreira.

Tive a oportunidade de lá apresentar um artigo baseado na minha dissertação de mestrado, onde pesquisei a influência da Inovação aberta como gatilho para fluxos reversos de conhecimento no segmento de O&G.

Mas mais importante do que os comentários, elogios e sugestões de melhorias ao artigo, foi a experiência de participar de um evento junto com inúmeros pesquisadores proveniente das mais diversas Universidades do Brasil e do exterior.

Dentre as várias sessões que tive a oportunidade de participar, duas me chamaram muito a atenção.

  • A primeira foi a da Profa. Manolita C. Lima da ESPM. Em um workshop de pouco mais de 90 minutos (que se passaram muito rápido), a Professora apresentou sua visão sobre “Pedagogia Ativa” ( Metodologia ou pedagogia ativaé um processo que possui como principal característica a inserção do aluno/estudante como agente principal responsável pela sua aprendizagem, comprometendo-se com seu aprendizado) e a necessidade de nós, professores, repensarmos a forma como interagimos com os nossos alunos. Dentre as várias citações utilizadas pela professora, uma em particular me fez refletir...

 

“A sociedade da informação e do conhecimento gera uma economia da atenção, que se converte em um bem escasso, disputado pela comunidade, a publicidade, a política, o espetáculo, o mercado e até a Escola” (Mariano Fernández Enguita, 2012)

 

  • A segunda foi a da jovem Profa. Danielle de Araujo Bispo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, que em conjunto com dois outros colegas da mesma universidade, apresentou o trabalho  “Gabriela, Leite e Pedra – Resistência à inovação como limitadora da capacidade de inovar em estruturas organizacionais rígidas”. Interessante desse trabalho foi o de apresentarem a “Síndrome de Gabriela”, fazendo-se referência à “Modinha para Gabriela” de Dorival Caymmi...

“Eu nasci assim, eu cresci assim, Eu sou mesmo assim, Vou ser sempre assim...”

Essa metáfora foi inteligentemente usada no artigo para demonstrar a resistência de uma Organização Pública Sócio Educativa em inovar ou alterar seus procedimentos burocráticos e pouco eficientes.

 

Bem, houveram outros tantos artigos interessantes e momentos ricos de trocas de conhecimento durante essa semana, no entanto o objetivo desse artigo era somente o de registrar minha participação inaugural, espero ter a oportunidade de participar de outros tantos seminários, simpósios e congressos

Pedro  Cortonesi
Pedro Cortonesi

Pedro Cortonesi é Engenheiro Eletricista formado pela FEI (Faculdade de Engenharia Industrial), com Pós-graduação em Marketing, Especialização em Empreendimentos na área de Petróleo e Mestre em Administração de Empresas na área de Gestão da Inovação. Possui mais de 30 anos de experiência na indústria, sendo grande parte na área comercial, em posições de Marketing & Vendas, em empresas de médio e grande porte. Pedro é atualmente Senior Marketing Manager na Schneider Electric e sócio licenciado da Bizup Consulting, empresa de consultoria empresarial. Pedro também é professor da Febracorp University na área de Inteligência de Mercado.